Em todo o mundo, o investimento em imóveis é considerado um investimento "alternativo". Embora muito seguro - talvez o mais seguro dos investimentos - , há uma imperfeição, que pode ser traduzida pela ausência eventual de liquidez em certos momentos. Por isso, costumamos dizer que a expectativa para um investimento imobiliário deve ser sempre de retorno a longo prazo.

Por Paulo Fabbriani

Em todo o mundo, o investimento em imóveis é considerado um investimento "alternativo". Embora muito seguro - talvez o mais seguro dos investimentos - , há uma imperfeição, que pode ser traduzida pela ausência eventual de liquidez em certos momentos. Por isso, costumamos dizer que a expectativa para um investimento imobiliário deve ser sempre de retorno a longo prazo.

Nos últimos quatro anos, de acordo com a variação dos preços de oferta de imóveis residenciais pelo indicador FipeZap somada ao rendimento[1] presumido para imóveis residenciais nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, o investimento direto em imóveis residenciais apresentou um retorno anual médio, já sem os custos de compra e venda, que pode ser bem estimado em U$S + 4%.

Se considerarmos os imóveis comerciais no Rio de Janeiro, a estimativa do rendimento subirá para U$S + 20%, com destaque para a valorização dos preços na região do centro da cidade.



Apenas para efeito comparativo, no mesmo período, a taxa Selic mal conseguiu cobrir a desvalorização do real frente ao dólar americano, e o índice Bovespa deflacionado pela variação do dólar, perdeu aproximados 15% em média anual. Ou seja, um desastre!

Um maior acesso às informações e a maior liquidez dos ativos financeiros lastreados por investimentos imobiliários - do tipo cota de Fundos Imobiliários ou ações de cias. abertas que investem em propriedades imobiliárias - conseguiram, de certa forma, suprir a eventual deficiência quanto à tal imperfeição do investimento imobiliário em comparação ao investimento em ativos financeiros de curto prazo.

Em outras palavras, se a opção é o curto prazo e se deseja contar com o lastro imobiliário, já existem alternativas consolidadas no mercado disponíveis para todo tamanho de investimento e liquidez necessária.

 A partir de julho próximo, os investidores poderão acessar, com mais liberdade, o investimento imobiliário em padrão global, através do investimento em ativos financeiros internacionais que poderão ser lastreados em ativos imobiliários.

O investimento imobiliário está deixando de ser alternativo para se transformar, em poucos anos, em um dos principais ativos de investimento da indústria de Fundos de Investimento no Brasil.

 

[1] A taxa de rendimento dos imóveis é comumente chamada de "capitalization rate" ou "cap rate". Ela é utilizada para estimar o retorno potencial do investimento em imóveis, dividindo o rendimento líquido aferido pelo valor total da propriedade. Tecnicamente, a cap rate de um imóvel é basicamente a taxa de desconto de uma perpetuidade.